Seja bem-vindo
Juazeiro do Norte,27/05/2024

  • A +
  • A -

G7 condena ataque do Irã contra Israel: veja o que dizem líderes mundiais

g1.globo.com
G7 condena ataque do Irã contra Israel: veja o que dizem líderes mundiais

O Irã lançou mais de 300 drones e mísseis para atacar Israel no sábado (13). Entenda a linha do tempo da escalada de tensões entre Irã e Israel
Líderes mundiais se reuniram neste domingo (14) para discutir os próximos passos após o ataque do Irã contra Israel. O Irã lançou mais de 300 drones e mísseis para atacar Israel no sábado (13).
A ofensiva do Irã é uma retaliação ao ataque israelense contra a embaixada iraniana na Síria. Rivais de longa data, Israel e Irã travam um duelo sangrento cuja intensidade varia conforme o momento geopolítico.
Teerã é contra a existência de Israel, que, por sua vez, acusa o país inimigo de, movido pelo antissemitismo, financiar grupos terroristas. Com a guerra em Gaza, a situação só piorou.
O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) convocou uma reunião de emergência a pedido de Israel para tratar do assunto. O encontro deve ocorrer ainda neste domingo.
Líderes do G7
Os líderes do G7, grupo dos sete países mais industrializados do mundo, condenaram o ataque e disseram que trabalhariam para tentar estabilizar a situação no Oriente Médio. A Itália, que ocupa a presidência rotativa do Grupo dos Sete, agendou uma reunião virtual com os demais membros do grupo, que inclui EUA, Canadá, França, Alemanha, Inglaterra e Japão.
Na declaração, os líderes demonstraram preocupação com uma possível escalada de tensões na região. Além disso, pediram cessar-fogo imediato em Gaza.
"Nós, os líderes do G7, condenamos inequivocadamente e nos termos mais fortes o ataque direto e sem precedentes do Irã contra Israel. O Irã disparou centenas de drones e mísseis contra Israel [...] Com as suas ações, o Irã aumentou o risco de desestabilização da região e corre o risco de provocar uma escalada regional incontrolável. Isto deve ser evitado", disseram os líderes no comunicado.
"Reforçaremos também a nossa cooperação para pôr fim à crise em Gaza, trabalhando para um cessar-fogo imediato e para a libertação de reféns pelo Hamas, e para aumentar a assistência humanitária aos palestinos necessitados".
Comissão Europeia
A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, afirmou que o ataque do Irã a Israel pode provocar uma escalada de conflito na região e reiterou que isso "deve ser evitado".
"Ontem, o Irã lançou um ataque massivo contra Israel, usando drones e mísseis. Um ataque iraniano direto contra Israel não tem precedentes. Hoje, nós, os líderes do G7, condenamos isso nos termos mais fortes. Expressamos a nossa solidariedade e apoio ao povo de Israel e reafirmamos o nosso compromisso inabalável com a sua segurança", disse.
Von der Leyen afirmou também que o grupo continuará a trabalhar para estabilizar a situação. "Nós alertamos o Irã e seus aliados a cessar os ataques completamente. Todas as partes devem exercer a máxima contenção."
As ações do Irã correm o risco de uma escalada regional incontrolável, diz Von der Leyen
Estados Unidos
No sábado, Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, classificou o ataque do Irã contra Israel como "descarado". Neste domingo, Biden ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que os Estados Unidos não participarão de nenhum contra-ataque israelense contra o Irã.
Num comunicado divulgado após os ataques, Biden afirmou ter dito a Netanyahu que Israel “demonstrou uma capacidade notável para se defender e derrotar até mesmo ataques sem precedentes”.
Biden não disse no comunicado se ele e Netanyahu discutiram uma possível resposta israelense ou um potencial envolvimento dos EUA. No entanto, John Kirby, o principal porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, afirmou no domingo (14) ao programa "This Week" da ABC que os Estados Unidos continuarão a ajudar Israel a se defender, mas não querem a guerra com o Irã.
Israel
Em um comunicado oficial, o membro do Gabinete de Guerra de Israel, Benny Gantz, afirmou que o Irã pagará na hora certa pelo ataque feito ao país.
O porta-voz da Diplomacia Pública de Israel, Avi Hyman, disse que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu ameaçou "ferir qualquer um" que tenha planos de atacar Israel. "O Irã continua a desestabilizar o mundo e a trazer perigo para a região [...]. Nenhum país no mundo toleraria ameaças repetidas dessa natureza".
"Houve um tempo que os judeus não tinham defesa e não tinham como se proteger. Hoje os judeus têm Israel e nós vamos defender nosso direito de viver livremente na nossa terra", acrescentou.
Daniel Hagari, porta-voz dos militares israelenses, disse que o país já aprovou "planos operacionais para ações ofensivas e defensivas".
Gantz diz que Israel construirá uma coalizão regional para enfrentar a ameaça iraniana
Irã
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, disse que o país emitiu um alerta três dias antes do ataque contra Israel. Segundo ele, o país não defende "a escalada de tensões na região" e que as operações têm o objetivo de defesa legítima.
“Cerca de 72 horas antes das nossas operações, informamos aos nossos amigos e vizinhos na região que a resposta do Irã contra Israel era certa, legítima e irrevogável."
Os Estados Unidos, no entanto, negam que esse aviso tenha sido dado.
Ministro das relações exteriores do Irã diz que operações têm o objetivo de defesa legítima




Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.